22 de abr de 2010

Programa “Mulheres jovens na Sociedade da Informação/Conhecimento”


Programa “Mulheres jovens na Sociedade da Informação/Conhecimento”

JOVENS PESQUISANDO JOVENS

De 17 de maio a 17 de dezembro de 2010


ABERTAS AS INSCRIÇÕES


SEGUNDA EDIÇÃO - 2010



- - Voltado para mulheres jovens (18-30 anos)

- Objetiva fortalecer suas capacidades para desenvolver projetos de pesquisa sobre juventude a partir de uma perspectiva de gênero.

Todas as atividades serão realizadas na plataforma digital http://www.catunescomujer.org/

Bolsas UNIFEM 2010




- Destinadas a mulheres (18 a 30 anos) de Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai.
- Especial interesse em candidaturas de jovens de grupos indígenas e afrodescendentes.
20 bolsas disponíveis. Cada uma compreende:
- Participação em: Oficina de Formação, Comunidades de Prática e Tutoria on line.
- Apoio econômico (USD 2000) para implementar as fases iniciais das ideais-projetos de pesquisa.

Todas as bolsistas colaborarão com a elaboração de um mapa regional de organizações que trabalhem sobre/com mulheres jovens indígenas e afrodescendentes.


Maiores informações em: http://www.prigepp.org/mails/2010/12-04/requisitos_bolsas_unifem.pdf

Lançamento PANO DA COSTA 23/04 17H SOLAR FERRÃO SSA/BA

Jovem negro é alvo, segundo Mapa

Brasília - O risco que corre um jovem negro no país da democracia racial de ser assassinado é 130% maior que o de um jovem branco, segundo o Mapa da Violência, Anatomia dos Homicídios no Brasil, divulgado pelo Instituto Sangari, com base nos dados do Subsistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde.

Os maiores índices de mortes violentas estão concentrados na população jovem, entre 15 e 24 anos. Só no ano de 2007 mais de 17,4 mil jovens foram assassinados no Brasil, o que representou 36,6% do total ocorrido no país. O Estado que apresentou o maior crescimento na taxa de assassinatos de jovens entre 1997 e 2007 foi Alagoas, que passou de 170 mortes em 1997 para 763 mortes dez anos depois (crescimento de 348,8%).

Por outro lado, São Paulo foi o Estado que apresentou a maior queda (- 60,6%), passando de 4.682 mortes em 1997 para 1.846 óbitos em 2007.

Fonte: Por: Redação - Fonte: Afropress - 2/4/2010