24 de mar de 2012

Dois são presos por incitar crimes de ódio e intolerância pela internet

Solange Spigliatti


São Paulo, 22 - Duas pessoas foram presas nesta quinta-feira, 22, acusadas usarem a internet para espalhar mensagens de apologia de crimes graves e da violência, principalmente contra mulheres, negros, homossexuais, nordestinos e judeus, além da incitação do abuso sexual de menores, segundo a Polícia Federal.
A Operação Intolerância prendeu Emerson Eduardo Rodrigues e Marcelo Valle Silveira Mello, moradores de Curitiba e Brasília, respectivamente. Eles foram presos preventivamente por supostamente serem os responsáveis pelo site silviokoerick.org.



A página foi amplamente denunciada por internautas brasileiros ao Ministério Público. E, com quase 70 mil denúncias registradas na ONG SaferNet, bateu recorde de participação pública no controle da internet nacional.
Agentes da PF também vão aos mandados de busca e apreensão para examinar as casas e locais de trabalho dos suspeitos em busca de provas.
Entre os conteúdos publicados pelos criminosos, havia referências positivas ao atirador Wellington, que em 2011 atacou a tiros uma escola em Realengo, no Rio, matando diversas crianças, bem como à suposta incapacidade da Polícia Federal em os localizar e deter.




Na decisão judicial que decretou a prisão preventiva dos criminosos, consta que "Elementos concretos colhidos na investigação demonstram que a manutenção dos investigados em liberdade é atentatória à ordem pública. A conduta atribuída aos investigados é grave, na medida em que estimula o ódio à minorias e à violência a grupos minoritários, através de meios de comunicação facilmente acessíveis a toda a comunidade. Ressalto que o conteúdo das ideias difundidas no site é extremamente violento. Não se trata de manifestação de desapreço ou de desprezo a determinadas categorias de pessoas (o que já não seria aceitável), mas de pregar a tortura e o extermínio de tais grupos, de forma cruel, o que se afigura absolutamente inaceitável." 

21 de mar de 2012

Way C o primeiro tablet africano


O primeiro tablet africano que pretende atingir as massas foi lançado na segunda-feira passada na capital do Congo, Brazzaville e na cidade petrolífera de Pointe-Noite, e custará cerca de 300 dólares.
O nome do dispositivo é Way-C que significa “luz das estelas”, usa o sistema Android Gingerbread, resolução de 800×480,  com um microprocessador de 1,2 GHz, 512 M de memória RAM, bateria com autonomia de 6 horas.
O plano é atingir primeiro os países da África mas tem planos de atingir a Bélgica, França e Índia.
Seu inventor é o jovem pesquisador do Congo Verone Mankou, 26 anos e foi lançado por sua empresa a VMK.


Après la tablette Way-C, le Congolais Vérone Mankou va lancer un smartphone bon marché


Congolês de 26 anos cria primeiro tablet produzido no país
http://tvuol.tv/bkc5ql
Fonte: Tv Uol