31 de dez de 2008

Só oito negros entraram desde 2.002

Brasília - Foram apenas oito, dentre os 132 ex-bolsistas, os estudantes afrodescendentes que, desde 2.002, ingressaram na carreira diplomática, com a criação do Programa de Ação Afirmativa do Instituto Rio Branco – Bolsa Prêmio de Vocação para a Diplomacia – o único programa de Ação Afirmativa em vigor na Administração pública brasileira dirigida a afrodescendentes.

A informação é do próprio ministro interino das Relações Exteriores, Ruy Nunes Pinto Nogueira, em resposta ao Oficio PGR/GAB 973, de 16 de maio de 2008 referente ao Procedimento Adminisativo MPF/PGR n 1.00.000.007597/20006-61, instaurado no início deste ano pela Procuradoria Geral da República para investigar as causas da ausência de negros no Itamaraty, na Igreja Católica e nas Forças Armadas, por iniciativa do Instituto de Advocacia ambiental e Racial do Rio (IARA).

Segundo o professsor José Jorge de Carvalho, da UnB, autor do livro “Inclusão Étnica e Racial no Brasil – A questão das cotas no ensino superior -, a carreira diplomática é uma das mais refratárias à presença de negros, mesmo sendo o Brasil a segunda maior Nação negra do mundo: o Itamaraty, segundo José Jorge, conta com um corpo de cerca de 1.000 diplomatas, menos de 10 deles são negros – 99% de brancos.

Fonte: Afropress - 31/12/2008

25 de dez de 2008

Internet pela rede elétrica vira realidade

A comercialização deve começar no primeiro trimestre de 2009. A tecnologia de acesso à internet banda larga usando redes de transmissão de energia elétrica já leva alguns anos em projetos e testes e, aos poucos, vem se tornando realidade no mercado de consumo brasileiro. Em novembro, a AES Eletropaulo Telecom demonstrou que já está preparada para a oferta comercial.

Embora ainda dependa de regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a fornecedora de infra-estrutura de telecomunicações espera começar a prestação do serviço no primeiro trimestre de 2009, focando o modelo de negócios nas operadoras e provedoras de acesso a internet.

A empresa investiu R$ 20 milhões na tecnologia, que integra a rede de fibra óptica à rede elétrica de baixa tensão, para distribuição da internet em edifícios - residenciais ou comerciais. A conexão com o computador concretiza-se por um modem ligado diretamente na tomada. Saiba mais!

21 de dez de 2008

KWANZA


Kwanza é uma celebração dos pretos e pretas norte-americanos, com enfoque sobre os valores Africanos da família preta, da responsabilidade comunitária, o comércio, e a auto-gestão. Kwanza não é um feriado político, ou religioso, mas um momento a celebração do povo preto, dos nossos antepassados e da nossa cultura.

A palavra Kwanza é derivada da frase em Kiswahili ‘Kwanza do Ya Matunda’, que significa ‘Primeiros Frutos da Terra’, fazendo menção aos primeiros frutos em África.

A princípio, a Kwanza era uma festa comemorada no continente africano, na tradição dos povos africanos de reservar determinada época para festejar a fartura da colheita, e juntos cantar, dançar, comer e beber e comemorar a colheita das primeiras frutas e vegetais. Traria os primeiros alimentos que cresceram ou iguarias que faziam destes para a festa.

[ARTIGO] ARTE AFRICANA OU ARTES AFRICANAS?

A história da arte africana, sobretudo, as pesquisas realizadas nos últimos anos, vem buscando situar a produção artística das culturas africanas sob uma perspectiva relativista cujas abordagens históricas de cada povo, nação, reino, enfim, de cada cultur a do imenso continente africano revela produções de alta definição estética e técnica.

Sob essa ótica a arte africana não pode ser definida apenas como uma arte de princípios e funções utilitaristas pelas temáticas estreitamente remetidas à natureza e à religião, mas como uma arte muito próxima do cotidiano onde a experiência estética e a noção de contemplação se confundem e se associam com a vida diária fazendo do produto artístico uma parte da vida. Continua...

Foto> Mulher de Gana

REVISTA ÁFRICA E AFRICANIDADES


Carta de ativista cubano a Raul denuncia racismo na Ilha


Salvador – Na Cúpula da América Latina e Caribe que terminou nesta quarta-feira (17/12), na Costa do Sauípe, Salvador, com a presença do presidente cubano, Raul Castro, o professor Carlos Moore (foto) – um velho combatente anti-racista acusado de subversão racial pelo regime - fez chegar ao dirigente cubano, Carta Aberta em que denuncia que ”até o dia de hoje, a população de raça negra, majoritária no país, está confinada a jogar um papel de subalternidade”. A população negra na Ilha é calculada entre 62% e 64% dos cubanos, porém, os negros estão ausentes dos principais cargos do Partido Comunista e da direção do Estado.


O fato foi ignorado pela mídia. Nenhum veículo de comunicação que cobriu a Cúpula, com dezenas de repórteres de todo o mundo, repercutiu a denúncia.”Cuba é um país onde uma revolução conseguiu derrubar os velhos privilégios de uma oligarquia republicana corrupta e submissa ao estrangeiro, mas onde, até o dia de hoje, a população de raça negra, majoritária no país, está confinada a jogar um papel de subalternidade. As honrosas exceções negras que ascendem à cúpula do poder o fazem unicamente com o beneplácito da elite dominante, predominantemente de origem européia, e confirmam assim a realidade, também dominante, baseada na subalternidade da raça negra em Cuba, depois de meio século de revolução socialista. Essa é a realidade.


E negá-la seria persistir na Grande Mentira”, afirma o professor e etnólogo, autor de vários livros sobre a temática racial, que vive há sete anos exilado em Salvador.Moore trabalhou como segurança e tradutor de Malcom X, o líder negro norte-americano, no último período de sua vida, em novembro de 1.964. Só pode voltar à Ilha com autorização especial do Estado, e está refugiado no Brasil, depois de viver o exílio em países como Egito, França, Nigéria, Senegal, Jamaica, Guadalupe e Trinidad Tobago.


Fonte: Afropress: Foto
Veja íntegra da carta no site da Afropress:

17 de dez de 2008

A justiça não é igual para todos

O Judiciário brasileiro trata mal os pobres – especialmente os negros – e tem resistência em cumprir a função que a Constituição Federal lhe atribuiu. Vários estudos demonstram que o acesso à Justiça no Brasil não é igual para todos e que a raça e o nível social podem influenciar nos resultados dos processos judiciais, criando dificuldades para que práticas racistas sejam exemplarmente punidas. Continua...

Fonte: jornalpequeno

16 de dez de 2008

PROPAGANDA IDEOLÓGICA NAS TELENOVELAS DA REDE GLOBO

A produção televisiva de ficção no Brasil, sobretudo do mercado de telenovelas da rede Globo, tem incorporado com freqüência em seus produtos a contra-propaganda de bandeiras dos movimentos sociais da esquerda brasileira, haja vista o caso da crítica à política de cotas para negros nas instituições de ensino superior, em “Duas caras”, e a defesa aberta das empresas de celulose em “A favorita”, ambas telenovelas do assim chamado “horário nobre”, espaço de maior índice de audiência, em que o preço do anúncio dos comerciais atinge a taxa mais alta.

No limite, o hábito cultural de consumir telenovelas, com a disciplina de horas diárias dedicadas ao gesto da entrega ao entretenimento, é também o momento de introjeção inconsciente do ponto de vista da classe dominante sobre assuntos estratégicos para manutenção de seu projeto de poder.

No último capítulo de “Duas Caras” uma família multirracial posa feliz para a fotografia que pretende retratar a efetivação do modelo ideal de integração racial no Brasil: a retomada anacrônica do mito da democracia racial. Para uma telenovela que concentrou pesada artilharia na legitimidade da política de cotas para negros, e na legitimação da privatização do ensino superior brasileiro, com direito até a personagem negro que escondia sua condição de riqueza para, supostamente, numa manobra populista, falar em nome dos negros pobres, a fotografia parecia expressar com certo sarcasmo, o júbilo com a batalha vencida no campo da ficção.

Fonte e mais informações: http://www.irohin.org.br

Crimes na "Internete"

Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), extorsão, pedofilia, estelionato, fraudes com cartão de crédito, desvio de dinheiro de contas bancárias. A lista de crimes cometidos pela Internet é extensa e sua prática tem aumentado significativamente.

Atualmente existem mais de 17 mil decisões judiciais envolvendo crimes virtuais. Cerca de 95% dos delitos já estão tipificados no Código Penal. Os outros 5% para os quais faltaria enquadramento jurídico abrangem transgressões que só existem no mundo virtual, como a distribuição de vírus eletrônicos, cavalos-de-tróia e worm.

Fonte: http://www.jornalpequeno.com.br/2008/12/1/Pagina92635.htm

CCJ DO SENADO ADIA VOTAÇÃO DO PROJETO DAS COTAS RACIAIS

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado adiou nesta quarta-feira a votação do projeto que estabelece cotas raciais e sociais nas universidades públicas federais de todo o país.O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) pediu o adiamento da votação para que na próxima segunda-feira seja feita uma audiência pública sobre o assunto.

A matéria dever voltar à pauta da CCJ na próxima quarta-feira.O texto, já aprovado na Câmara, determina que 50% das vagas nas universidades sejam reservadas a alunos de escolas públicas. Metade dessas vagas deverá ser distribuída de acordo com critérios raciais e estabelecida proporcionalmente à distribuição populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A outra metade será distribuída conforme a renda familiar per capita, menor que um salário mínimo e meio.

10/12/2008
Retirado do site do Jornal do Brasil.Agência BrasilBRASÍLIA -

11 de dez de 2008

“Igualdade racial” nas telenovelas da Globo


A Simples Rap’ortagem esteve nos estúdios da Rede Globo para averiguar como anda a diminuição da desigualdade racial na contratação de atrizes e atores nas suas atuais telenovelas. Confira você mesmo! Interessante ressaltar que estamos próximos à comemoração de um novo ano, 2009...


Negócio da China - (49 atores)
46 brancos (as)
3 negros (as)





Três Irmãs - (54 atores)
50 brancos (as)
4 negros (as)





A Favorita - (57 atores)
54 brancos (as)
3 negros (as)

Total de atores envolvidos nas três novelas da Globo: 160
Brancos (as): 150
Negros (as): 10

“É isso que eles chamam de igualdade”. A pergunta é: o que fazer? Cerca de 67 mil pessoas de diferentes classes e ocupações, de organizações nacionais e internacionais recebem esse boletim, você acredita mesmo que tem poder efetivo pra mudar alguma coisa? Por acaso essa informação é alguma novidade? Não há falta de bons profissionais negros (as) nesse mercado, a Bahia e outros estados são um celeiro de ótimos atores. Em 50 anos já foram feitas passeatas, pressão no Congresso Nacional, notas de repúdio, publicação de matérias, produção de documentários... tudo de forma pacífica. O que mais fazer diante dessa realidade? Escreva para http://br.f431.mail.yahoo.com/ym/Compose?To=escritorioepa@yahoo.com.br informe seu nome e cidade, e dê sua opinião sobre como mudar essa situação. Alguns comentários serão divulgados em nosso próximo boletim.

Fonte: Boletim Simples Rap / Notícias

10 de dez de 2008

Pesquisa mostra ideário racista enraizadoPor

A Pesquisa Datafolha, que apontou percentuais de até 26% da população com idéias racistas, também identificou que tais idéias estão relacionadas ao nível de escolaridade e a faixa etária: quanto menor a escolaridade e maior a faixa etária, maior a associação com frases como “Se deus fez raças diferentes é para que elas não se misturem”, “Negro, quando não faz besteira na entrada, faz na saída”, “As únicas coisas que os negros sabem fazer bem são música e esporte” e “Negro bom é negro de alma branca”.

A pesquisa mostrou que os racistas abertamente assumidos – ou seja, têm preconceito anti-negro – correspondem a 3% da população brasileira – o equivalente a cerca de 550 mil pessoas.Alma brancaPor exemplo, o percentual de pessoas que concordam com essa última frase ("Negro bom é negro de alma branca") chega a 37% dos que tem nível de ensino fundamental; cai para 18% dos que ensino médio e estaciona em 12% dos que têm educação superior.

Em relação à faixa etária, correspondem a 19% entre os jovens de 16 a 25 anos, a 23% dde 26 a 40 anos e a 34% nas pessoas com 41 anos ou mais.InferioridadeEntre os 20% que acham que “As únicas coisas que os negros sabem fazer bem são música e esporte”, 31% tem nível fundamental, 11% ensino médio e 5% superior; na faixa etária, correspondem a 13% entre os que têm de 16 a 25 anos, 17%, entre os que têm de 26 a 40 anos; e 27%entre os que tem 41 anos ou mais.Os 10% que concordam com a idéia de que “Negro quando não faz besteira na entrada, faz na saída”, 13% são do ensino fundamental, 7% do ensino médio e 5% têm nível superior.

Eles são 10% dos que estão na faixa etária entre 16 e 25 anos; 7% de 26 a 40 anos; e 12% com 41 anos ou mais. Nesse caso, não há diferença entre os mais jovens e os mais velhos, tendo em vista que a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais.Não misturaPara quem concorda que “se Deus fez raças diferentes é para que elas não se misturem”, correspondente a 9% dos entrevistados, 15% têm nível de ensino fundamental, 6% de ensino médio e 4% ensino superior, enquanto que em termos de faixa etária, correspondem a 8% dos que têm de 16 a 25 anos, 8% dos que têm de 26 a 40 anos e 12% dos que tem 41 anos ou mais.

Redação - Fonte: Afropress - 27/11/2008

7 de dez de 2008

ACOMPANHE A REVISÃO DA CONFERÊNCIA DE DURBAN





Este blog se destina a informar a todos da sociedade civil em vários países sobre a Revisão da Conferência de Durban em 2009. Estamos num momento complicado, em 2009, o Plano de Ação de Durban assinado por vários países será avaliado, e em muitos países pouco foi feito, incluindo dar acesso às informações de Durban, seja de 2009 ou sobre a revisão de 2009.A América Latina foi forte em 2001, mas percebemos que a África pouco participou, porque a sociedade civil não foi colocada a par de Durban.O Brasil tem a maior população de origem africana fora da África, e desta vez, como povo da Diáspora, não deixaremos os povos africanos e a sociedade civil organizada que luta por direitos ficar fora de Durban, especialmente neste momento, onde vários países africanos ocupam cadeiras na CIDH em Genebra.

Lançamentos


23 de nov de 2008

Entendendo + sobre o racismo....

Mais leituras, que nos ajuda a entender aspectos do racismo.

Diminuem manifestações de preconceito e racismo "assumido" entre brasileiros
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u470648.shtml

Blog LLL - Alex Castro
http://www.interney.net/blogs/lll/?cat=2280

Pesquisa mostra que cor de celebridades revela critérios "raciais" do Brasil
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u470658.shtml

21 de nov de 2008



No mês da Consciência Negra Veja ataca Zumbi

Clique na imagem para ler (se é que o conteúdo está legível)

Esta é uma típica reportagem de um canal de comunicação que pretende ser um dos principais canais de acesso de informação no país. Famosa pelas reportagens destruidoras de mito, ou melhor, que tentam destruir os mitos, agora ela compra problema com a comunidade negra deste país. Ela será que não pensa na represália que a comunidade negra pode realizar em relação à esta publicação. A quem serve uma reportagem desta? Eu sei. Serve para alimentar visões preconceituosas justamente quando a população negra comemora os 313 anos de seu maior ícone.

A Revista pretende com isto desestabilizar um imaginário composto por estereótipo, racistas, pessoas que não conseguem aceitar ter que sentar junto a um/a negro/a pra sequer discutir qualquer questão. Somos vistos como seres que servem para decorar as festas dos brancos... até quando?????


O portal AFROPRESS, a respeito desta reportagem, escreveu o seguinte: "A revista Veja, da Editora Abril, conhecida pela campanha sistemática contra as ações afirmativas e as cotas para negros e indígenas, assumiu uma nova bandeira: desconstruir a imagem de Zumbi dos Palmares, morto pelo bandeirante paulista Domingos Jorge Velho, no dia 20 de novembro de 1.695.Em matéria de duas páginas na edição 2087 – nº 46, de 19 de novembro, assinada pelo jornalista Leandro Narloch, com o título de “O enigma de Zumbi”, a Revista se refere a estudos recentes para afirmar que ele próprio pode ter sido dono de escravos no quilombo dos Palmares e aponta distorções nos livros didáticos sobre Palmares". Fonte: Afropress

20 de nov de 2008






Consciência Negra: Museu Afro Brasil inaugura exposições

Neste dia 20 de novembro de 2008, a partir das 18h, o Museu Afro Brasil, na capital paulista, inaugura duas exposições temporárias: 'Walter Firmo em Preto e Branco' e 'Brasil, Terra de Contrastes'. Ainda como parte das comemorações do Dia da Consciência Negra, quem for ao museu terá a oportunidade de ver a performance de um poeta cubano e a exibição da cantora negra de música popular brasileira, Áurea Martins.

O Museu Afro Brasil é considerado o maior museu afro americano do mundo e tem um acervo de cinco mil obras. É aberto ao público de terça a domingo, das 10h às 17h. A entrada é gratuita.Reportagem: Daniela Paixão. Visite UOL

Vídeo que apresenta o Museu e sua exposiçao.



19 de nov de 2008



Blogueiros e internautas brasileiros foram às ruas de São Paulo para protestar contra o Projeto de Lei de Cibercrimes que estabelece os crimes na internet e propõe novas formas de enquadramento para os mesmos. Eles alegam que o projeto apresenta tantas falhas que, em vez de punir criminosos de fato, ele pode acabar decretando como crimes comportamentos triviais ao surfar na internet. Proposto pelo senador Eduardo Azeredo, o projeto de lei foi aprovado no Senado e agora tramita em regime de urgência na Câmara de Deputados, o que significa que a votação pode acontecer a qualquer momento.
.
Esta Lei, traz alguns artigos que tratam diretamente do racismo, mas o aborda de forma genérica. Uma leitura mais apurada da Lei será minha próxima tarefa, pois não queremos CIBERCRIMES, não queremos VIGILÂNCIA EM NOSSO IP'S, não queremos PEDOFILIA DE FORMA ALGUMA, não queremos CRIMES VIRTUAIS nem tampouco RACISMO VIRTUAL...

Negros estão subrepresentados na Câmara, diz Relatório

Rio – Levantamento feito pelo Relatório Anual das Desigualdades no Brasil – 2007/2008, organizado pelo professor Marcelo Paixão com apoio da Fundação Ford, explica porque o Estatuto da Igualdade – que contém as reivindicações históricas da população negra - permanece parado no Congresso desde 1.995, sem previsão de ser votado: entre os 513 deputados federais, apenas 9% - 46 deputados - se auto-declaram negros (pretos e pardos), contra 87% que se assumem como brancos.

Segundo Paixão, a pouca representação de pretos e pardos no Congresso Brasileiro, pode explicar a falta de interesse dos parlamentares em colocar o Estatuto com prioridade na Agenda política.O Relatório – estudo que mede as desigualdade raciais por meio de indicadores econômicos sociais e demográficos – aponta a existência de 0,8% de amarelos e mais 3,3% de deputados que não se reconhecem em nenhuma das opções de raça/cor do IBGE. Não há deputados indígenas, emboram existam, no Brasil, cerca de 700 mil indígenas de diferentes Nações.

Por: Redação - Fonte: Afropress - 18/11/2008


EVENTOS NO BRASIL
















18 de nov de 2008





Hoje foi dia de debate sobre a aplicação da Lei 10.639/03 durante o programa A TARDE Meio Dia em A TARDE FM. Como convidados do bate-papo com o jornalista Carlos Alberto, a doutora em Educação Vanda Machado e o especialista em Educação Antonio Cosme que foi sub secretário municipal da Reparação em Salvador.

Fonte: Blob MundoAfro Foto: Marco Aurélio Martins AG. A TARDE




Caminhada dos Terreiros do Engenho Velho contra a Violência, a Intolerância Religiosa e pela Paz

O Engenho Velho da Federação é um bairro pequeno, mas com a tradição de reunir varios templos de matriz africana. São cerca de 30 e das mais variadas nações- angola, caboclo, ketu, ijexá jeje-. Em 2004, depois que o bairro começou a ganhar igrejas evangélicas da linha neo pentecostal, o respeito à opção religiosa de cada um sofreu um abalo.

Os ataques que começaram nos discursos nas igrejas, via sistema de som, acabaram indo para a porta dos terreiros. O Terreiro do Cobre, por exemplo, chegou a ter em sua entrada devotos da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) pregando conversão para a fé cristã. Foi então que a ialorixá da Casa, Valnísia Pereira de Oliveira, mais conhecida como Mãe Val de Ayrá, acompanhada da ebomi Tia Telinha de Iemanjá, foi à procura de outros líderes religiosos do bairro para propor a organização de uma caminhada.

O objetivo era defender publicamente um direito constitucional:a liberdade de crença. Nascia ali, com a participação de todos os terreiros da região, direta ou indiretamente, a Caminhada dos Terreiros do Engenho Velho contra a Violência, a Intolerância Religiosa e pela Paz que, no próximo sábado, a partir das 15 horas, chega à sua quarta edição. Nesta entrevista para o Mundo Afro, Mãe Val fala sobre os preparativos e os objetivos da caminhada. Na foto, Mãe Val na caminhada de 2006.
Fonte: Blog Mundo Afro Foto: Xando Pereira






XVII SEMANA DA CONSCIÊNCA NEGRA DE PORTO ALEGRE


A mídia reforçando a miscigenação racial através da cinematografia


Os filmes sobre racismo que são transmitidos pela mídia brasileira são tendenciosos. Geralmente, os canais de televisão quando transmitem filmes sobre a temática racial, apelam para o lado sentimental das relações inter-raciais, ou seja, incentivam a relação de dependência afetiva dos negros pelos brancos.

Os filmes, que tem um papel fundamental na educação das pessoas, influenciado na maneira como as pessoas percebem o mundo e as relações inter-pessoais e inter-grupais, são escolhidos conforme os interesses dos "poderosos" da mídia nacional, fundamentados e orientados pelo mito da "democracia racial", para defender os objetivos deles (a elite branca) de incentivar de uma forma mais intensa a mistura racial. Continua...

Fonte: Blog Território Preto

15 de nov de 2008


PL que tipifica crimes cibernéticos recebe críticas em audiência na Câmara


O deputado Julio Semeghini (PSDB-SP), relator do Projeto de Lei 84/99, que tramita em regime de urgência na Câmara e tipifica os crimes de delitos cometidos na área de informática, terá que debater com outros deputados da CCTCI as muitas críticas que o texto recebeu durante audiência pública realizada nesta quinta-feira (13/11).

Especialistas e colegas parlamentares acreditam que a proposta pode restringir a liberdade dos internautas. Participantes da audiência acreditam que a redação pode dar margem a uma interpretação da lei que vai proibir hábitos dos usuários da internet, como transferir músicas de um CD para o Ipod.

O projeto, que tramita em regime de urgência na Câmara, tem como relator na CCTCI o deputado Julio Semeghini (PSDB-SP), que ouviu atentamente, ao lado do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), autor de um dos requerimentos para a audiência, às críticas e apoios apresentadas hoje por representantes do governo, da academia, de provedores de acesso à internet e advogados.

O professor Sérgio Amadeu da Silveira, da Universidade Cásper Líbero, disse que os termos gerais e amplos do projeto vão acabar com as redes abertas. "Ele cria uma série de dispositivos que bloqueiam as redes abertas, criminaliza condutas que são corriqueiras na internet e remete a regulamentos obscuros. Não se sabe o que vai acontecer”, observou o professor Sérgio Amadeu da Silveira. Para ele, o PL vai dificultar a manutenção de projetos de inclusão digital.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) criticou a violação dos dispositivos de segurança, o alto controle sobre a internet e os dispositivos penais como estão redigidos. Ele sugeriu ajustes. "O projeto pretende diminuir a utilização da rede e aumentar os controles, mas acaba fazendo com que a internet, que é o lugar da democracia, seja restringida por alguns mecanismos".

Para o delegado da unidade de repressão aos crimes cibernéticos da Polícia Federal, Carlos Eduardo Sobral, o País precisa com urgência de uma lei que estabeleça punições para crimes cibernéticos, embora identifique dois desafios para o Legislativo: a manutenção da liberdade na internet com a simultânea punição para as condutas criminosas e a garantia de maior velocidade de acesso da Polícia aos dados essenciais para investigação de crimes. Continua...


10 de nov de 2008



Seminário "Os Desafios do Brasil Face à Economia Digital"

Brasília vai sediar a edição 2008 do Seminário Internacional Economia Digital, que reunirá as iniciativas pública e privada em torno de temas relevantes para a consolidação do segmento no país. Organizado pela Associação de Usuários de Informática e Telecomunicações (Sucesu-DF) e pela Tic-Solution, o evento terá inscrições gratuitas com vistas a democratizar o acesso aos debates.

Serão cinco macro-painéis, cada um composto por um palestrante de peso e três debatedores. O primeiro, intitulado “Os Desafios da Educação no Brasil Face à Economia Digital”, tratará de temas estruturais como Exclusão Social x Exclusão Digital e a Internet como Instrumento de Geração de Emprego e Renda. Haverá, na seqüência, painéis sobre Inovação, Governo & Economia Digital, Mercado Global e Infra-Estrutura.


Fonte: http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=16357&sid=56

6 de nov de 2008

Lei sobre crimes na internet pode prejudicar inclusão digital no Brasil

O projeto de lei que determina as punições para crimes cometidos pela internet poderá ter implicações para a ampliação do acesso à rede mundial de computadores e para a inclusão digital no Brasil. O assunto foi tratado nesta quarta-feira (5), durante a 7ª Oficina para Inclusão Digital.

Para a analista de segurança Cristine Hoepers, do Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (Cert.br), a intenção da lei pode ter sido boa, mas a falta de clareza do texto pode dificultar a vida de quem trabalha com inclusão digital no Brasil. “Na legislação vale a letra da lei, e não a intenção”, avalia.

Fonte: http://jc.uol.com.br/2008/11/05/not_184269.php






5 de nov de 2008


OBAMA VENCEU




ELEITO, PRIMEIRO PRESIDENTE NEGRO NOS ESTADOS UNIDOS



"Se pessoas ainda têm dúvidas de que a América é o lugar onde as coisas são possíveis, (...) se ainda questionam o poder da nossa democracia, esta noite é a sua resposta". Foi assim que na noite do dia 04/11 o novo presidente dos Estados Unidos, Barack Hussein Obama, 47, discursou em Chicago para milhares de pessoas. Obama é o 44º presidente eleito naquele país, e sem dúvidas, um dos mais carismáticos de toda história. Confirmando o que pesquisas e analistas previam, a vitória de Obama marcou uma nova fase da política americana, na qual a participação popular e a paixão voltaram à cena – as eleições de 2008 foi a mais participativa em cem anos. Mesmo não sendo feriado, milhões de pessoas que enfrentaram até sete horas nas longas filas de votação para exercer a tal sonhada cidadania democrática.

O discurso de Obama foi realizado, como manda o rito, depois do telefonema do candidato Jonh MacCain reconhecendo a derrota. O veterano candidato republicano disse que esta foi “a voz do povo, e a voz do povo foi clara”. Em entrevista à Folha, Berenice King, filha de Martin Luther King, líder negro assassinado nos anos sessenta disse "Eu sei que meu pai estaria orgulhoso dos Estados Unidos por isto".
É fato que a luta dos direitos civis americanos foi fundamental para a luta anti-racista nos Estados Unidos e foi a efetivação de ações afirmativas que criaram a base política e econômica para surgimento de um presidente negro, preconizado em filmes de Hollywood. A partir de hoje o maior posto de comando nos Estados Unidos é feito por um negro, de nome estranho, mas, de um carreira brilhante. Vitória da democracia.

Fonte: Site Correio Nagô - Redação - Paulo Rogério Nunes

4 de nov de 2008

América Latina terá fórum virtual de cultura negra

Durante o I Encontro Ibero-Americano - Agenda Afrodescendente nas Américas, que aconteceu na Colômbia no mês passado, o projeto Observatório Afro-Latino foi apresentado pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira, e aprovado pela plenária. O objetivo é sistematizar e disponibilizar na internet informações sobre estudos, pesquisas, estatísticas nas diversas áreas do conhecimento, dando a ver a contribuição cultural de cada segmento afrodescendente. Já existe uma iniciativa para incluir países africanos nesse observatório virtual.


O evento foi considerado um marco na proposta de cooperação multilateral entre os países ibero-americanos, que elegeram a diversidade cultural como objetivo de um projeto de integração. Estima-se que, hoje, a América Latina e o Caribe concentrem uma população de 150 milhões de afro-descendentes. A diáspora africana na região representa cerca de 30% da população total. Entretanto, ainda há uma desatenção generalizada ao que representaram os vários séculos de aporte cultural material, imaterial e simbólico dos afro-descendentes na região. Na agenda, foram definidas políticas na área de educação, como o ensino da história e da contribuição dos afrodescendentes; ações para fortalecer a presença da cultura dos negros na sociedade e políticas de fomento ao aumento da produção cultural dessa parcela da população.


Para tanto, foram propostos dois grandes fóruns, com os temas Tendências Globais, Diáspora Africana e Necessidade de Inclusão e A Cultura como Base do Reencontro e Recriação de uma Agenda Global Étnica. Próximo encontro já está agendado para fevereiro de 2010, em Salvador. O presidente da Fundação Palmares Zulu Araújo informou que o Observatório será lançado oficialmente no próximo dia 7 de novembro, sexta-feira, na Festa Literária Internacional de Porto de Galinhas, mas "para que se transforme no espaço da troca, será necessário contar com a colaboração de todos os países e dos organismos internacionais".


Fonte: Luciana Mota, RR-BA/FCP/MinC / Ana Luiza Zenker, Agência Brasil.

3 de nov de 2008


I Got a Crush On Obama





Amanhã, terça-feira, os americanos vão escolher seu novo presidente da República. Claro que ninguém fica indiferente à corrida para o cargo de mandatário da maior potência econômica e política do mundo, mas esta tem um diferencial: Barack Obama.

Qualquer que seja o resultado destas eleições, Obama já virou um ícone pop. Aliás, se existisse o cargo de presidente do mundo, eleição em que pessoas de todas as nações votariam, ele seria um forte candidato. Pelo menos foi o que apareceu em uma destas pesquisas que os telejornais adoram fazer enquanto aguardam as eleições. Continua...

2 de nov de 2008


Desafios do Combate aos Crimes Cibernéticos


No aniversário de 20 anos da Constituição Cidadã, ainda falta uma legislação específica contra os crimes cibernéticos.

Fonte: Safernet






Bandidos migram para internet

Teclados de computador têm se transformado em armas potentes nas mãos de grandes criminosos no País. Com menos riscos e maior lucratividade, estelionatários e traficantes investem em crimes cibernéticos, que possibilitam diversas formas de golpes, como invasão de contas bancárias, crimes contra a integridade física e moral; tráfico de drogas e estelionato; criação de páginas de empresas-fantasma e de pedofilia. Falta de legislação específica é um dos principais obstáculos que a polícia enfrenta. As autoridades afirmam que não há crime perfeito na internet, pois sempre deixam rastros, mas Goiás está entre os dez Estados com maior índice de crimes virtuais. Continua...
Enviado por admin, sex, 10/31/2008 - 16:53 - 31/10/2008
Fonte: http://www.dm.com.br/impresso/7665/cidades/54344,bandidos_migram_para_internet/ Autor: Marcos Coelho / Diário da Manhã

Inscrições para os cursos de MBA

da Unipalmares estão abertas


A Universidade da Cidadania Zumbi dos Palmares dá um upgrade em sua grade acadêmica. A partir de setembro, a universidade passará a oferecer três cursos de MBA (Master Business Administration) – pós-graduação com diploma Lato Sensu. São eles: Gestão Estratégica de Negócios, Gestão Financeira e Gestão de Recursos Humanos.


Fonte: Afrobras


COMUNIDADE QUILOMBOLA GANHA UNIDADE DE INCLUSÃO DIGITAL


Para ampliar a participação da população nas transformações ocorridas pela informática e internet, um convênio entre Secretaria de Trabalho e Assistência Social (Setas) e outros órgãos, inaugura amanhã (24) uma unidade de inclusão digital no município de Terenos.

A inauguração integra o projeto Luz para Todos.Com a expectativa de atender 250 pessoas da comunidade “Dos Pretos” em Terenos, a unidade de inclusão digital contará com cinco computadores e uma impressora. A contrapartida do município será a cedência de um professor para ministrar as aulas e orientar os alunos.


Retirado do site msnoticias.23/10/2008Mato Grosso do Sul Fonte: http://aldeiagriot.blogspot.com/
Foto: [c] Luiz Titto - Jovens do Quilombo Rio das Rãs/BA


GELEDÉS 20 ANOS