24 de jun de 2011

Lições dos ataques virtuais a sites governamentais: o caso IBGE

O site do IBGE foi invadido na madrugada desta sexta-feira e uma mensagem foi postada no endereço virtual. A página apresenta o título "IBGE Hackeado - Fail Shell" escrito no topo e uma foto de um olho humano com a legenda "Ordem e Progresso" inserida sobre a pupila.









O restante da mensagem diz "Este mês, o governo vivenciará o maior número de ataques de natureza virtual na sua história feito pelo Fail Shell. Entendam tais ataques como forma de protesto de um grupo nacionalista que deseja fazer do Brasil um país melhor. Tenha orgulho de ser brasileiro, ame o seu país, só assim poderemos crescer e evoluir!"

No pé da página do IBGE, ainda há outros dizeres como "Atacado por FIREH4CK3R", "Brasil, um país de todos!" e "Não há espaço para grupos sem qualquer ideologia como LulzSec ou Anonymous no Brasil". LulzSec e Anonymous são os dois maiores grupos de hackers do mundo. Hackers são pessoas que invadem computadores para protestar ou furtar informações.
O grupo que se apresenta como LulzSecBrazil atua como célula do LulzSec, que na semana passada atacou o site da CIA, a agência de espionagem americana. O LulzSecBrazil foi responsável por invadir a página do Senado, da Presidência e do Ministério dos Esportes nesta quinta-feira (24).

Os ativistas do LulzSecBrazil atuaram junto a um grupo chamado AnonBrazil, associado ao Anonymous, a quem é atribuído um ataque que há duas semanas derrubou o site do FMI (Fundo Monetário Internacional).

Eles lançaram nesta semana a Operação AntiSec, declarando agir 'contra a censura' e com o objetivo de retaliar governos que tentam impor controles à internet.



Fonte: Folha.com

22 de jun de 2011

Balanço do tuitaço e próximos passos

A mobilização de ontem no twitter foi muito positiva. O engajamento de milhares de pessoas no mote #minhainternetcaiu levou o assunto a ficar quatro horas como o mais comentado entre os usuários brasileiros da rede. As postagens trouxeram várias perspectivas, mas deixaram claro o grande incômodo dos usuários com o serviço prestado pelas empresas de telecomunicações e a defesa majoritária de um PNBL que universalize o serviço e garanta patamares satisfatórios de qualidade.

As críticas são sérias e esperamos que o Ministério das Comunicações e a Anatel respondam a elas de forma séria. Já buscamos contato com o ministério para cobrá-los quanto a isso. De toda forma, essas respostas precisam vir não apenas no discurso, mas também na prática. A semana que vem é de definições importantes, com o fechamento do PGMU-III, a amarração dos acordos com as teles em torno do PNBL e a assinatura dos aditivos dos contratos de concessão.

Nossa expectativa é que o Ministério não aceite qualquer proposta de venda casada, reestabeleça os espaços de debate público sobre o PNBL e não deixe passar alguns pontos chave do PGMU-III, como a possibilidade de as teles descontarem os custos das metas de universalização de seu ônus bianual de 2%.

Continua...

Fonte: Campanha Banda Larga